Arquivo da categoria: Arte e Cultura

Marcar e ser marcado: juventude e pixação

juventude_pixacao_2013

 

“O Conselho Regional de Psicologia – Minas Gerais convida para o seminário “Juventude e Pixação – Marcar/Ser marcado” a se realizar no dia 4 de julho de 2013, às 14h, no auditório da FEAD (Rua Santa Rita Durão, 1160 – 6º andar, Funcionários), em Belo Horizonte.

Coordenado por Cristiane Barreto, Luiz Carlos Garrocho e Paulo Rocha, o evento contará também com as participações da psicóloga e diretora de projetos e pesquisa, Joana Ladeira; da psicóloga e especialista em gestão social, Flávia Soares; do psicólogo e especialista em gestão, elaboração e avaliação de projetos sociais em áreas urbanas, Guilherme Dell Debbio; do psiquiatra e psicanalista, Musso Greco; e da psicanalista e professora, Ludmila Zaggo. As mesas terão como debatedores o psicanalista Sérgio Mattos e o professor de artes e filosofia Rogério Betonni.

As inscrições são gratuitas. Basta encaminhar um email para comunica2@crp04.org.brcolocando no assunto o nome do evento e informando seu nome completo, telefone e instituição que atua.  As vagas são limitadas.”

Mais informações pelo telefone (31) 2138-6769.

Outras referências –

Agenda Juventude e Pixação

Pixo: política pública ou criminalização?

Manifesto Liberdade aos Piores de Belô. Conjunto Vazio

Gilberto Gil ao vivo é uma obra prima

 

Meados dos anos de 1970. Gilberto Gil usava uma roupa branca. Não lembro qual música  abria o show, porém, uma delas, que abre o disco correspondente, é sim a marca daquele momento. Começava de um modo estranho: “Tava comendo banana pro santo/ Pra quem?/ Pro santo/ Pra quem?/ Pro santo/ Pra quem?

A música era João Sabino.  Longa (na gravação, mais de 11 minutos) e inspirada.  E não falava da nada muito palpável: não era música de amor, não era música de protesto, não era música de nada. Música de música. Você acompanhava um movimento que, num dos sentidos, desembocava no nascer do sol: (…) Atrás do monte/ De mi pra fáSustenido, suspendendo/ Sustentando, ajudando o sol/ Nascer…    Continue lendo Gilberto Gil ao vivo é uma obra prima

It’s now or never (ou o enterro de Elvis), por Maurício Vasconcelos

Numa noite dos anos 70, em Belo Horizonte. Maurício Vasconcelos pegou umas folhas de papel, uma caneta esferográfica vermelha e escreveu um estranho poema em prosa. Foi num ato só, quase escrita automática. Escrevia e ria. Depois, nem falamos mais nisso, numa época em que era mais importante correr à rua para ver o mundo ocidental-cristão desabar. Os anos se passaram, eu perdi muitas coisas, muitos livros, muitas revistas e jornais que colecionava, um monte de fotografias que tirava. A cada mudança de casa, um mundo lá se ia embora. Curiosamente, alguns escritos não se perderam. Entre eles, dois textos desse bardo-filósofo que vive recluso no interior de Minas. Já publiquei um verso dele, sem autorização. Outro dia achei este escrito. Vale a pena ler: é uma preciosidade. Será que você percebe a mitologia que fervia na cabeça genial de um jovem, atravessada pela vidência de uma lâmina fria?

“O enterro de Elvis levou mocinhas a chorar e o desfile frente ao caixão era igual à fila de ônibus, bem maior do que às 6 horas da tarde. O que elas querem, todos os que ajudam a carregar tal peso, o esqueleto. O esquife escapuliu. Elvis cantando. A ressurreição. Não se importem se já voltam mais.  Vou até lá. Marilyn, que somos amigos de tão fiéis barbitúricos. Estamos mortos, graças a Deus.  Continue lendo It’s now or never (ou o enterro de Elvis), por Maurício Vasconcelos

Signos de um carnaval

Bondinho-de-Santa-Teresa-630x420

 

 Carnaval no Rio de Janeiro, nos anos 70. Nós éramos três jovens mineiros que mal chegavam aos 20 anos de idade.   Estávamos em plena ditadura militar, com a distensão anunciada de Geisel. Mesmo assim, não se vislumbrava alternativa, a não ser nas tentativas da oposição permitida e, quase sempre, retórica. E, no entanto, havia uma resistência, presente na irreverência e alegria de nosso povo.  Aliás, alguns diziam que se a Capital Federal ainda fosse o Rio, o golpe militar teria falhado.

Curtíamos o carnaval de nossas pequenas cidades interioranas. Aquele lusco fusco, aquela melancolia e alegria de veias pesadas de minério, sem falar nos outros recantos, beiras de rio e muito mais. Mas, de fato, era a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, com toda sua história e exuberância. E era para lá que nos dirigíamos.  Continue lendo Signos de um carnaval

Achados e perdidos

achadoseperdidos-capa1

Você já viu Quadrinhos com trilha sonora? Pois  então, é o caso de Achados e Perdidos. Você lê, vê e ouve. E o trabalho é cativante. Por vários motivos. Como criação de quadrinhos, é puro cinema. Quero dizer que as imagens sequenciais fluem com cortes cinematográficos.

Talvez esteja dizendo uma grande bobagem. Ou uma redundância, dado que são artes sequenciais. Mas como apaixonado pelo cinema, posso afirmar que há, ainda, uma coisa de tempo em Achados e Perdidos. O tempo de cada imagem que vale por si. E a qualidade e delicadeza desse trabalho, como desenhos, trilha, texto e roteiro pegam a gente de cara. Outra coisa que me chama a atenção: a história não vive apenas de peripécia, mas de encontros que modificam nossas percepções sobre as coisas do vivido. Depois de instaurado o problema inicial e, aparentemente agregando ocorrências, o roteiro vai nos conduzindo para uma surpresa: um encontro familiar que é, ao mesmo tempo, não familiar. Não como “reconhecimento” clássico, mas pelo contrário, como reverso de um sentimento já previamente configurado. Continue lendo Achados e perdidos