Categorias
Geral

Improvisões – improvisação intermídia

O projeto Improvisões – improvisação intermídia no Teatro Marília – está no ar, com edital e tudo mais, sendo que as inscrições vão até o dia 30.11.07.

Improvisões é um projeto da Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Fundação Municipal de Cultura/Diretoria de Teatros, com foco na improvisação intermídia e no pensamento criativo. O projeto faz parte da ação Arte Expandida – experimentação nos Teatros Municipais. Em que o projeto inova? Improvisões permite que artistas de meios diversos e heterogêneos possam dialogar, ao vivo, diante do público, sem hierarquia.
São 04 apresentações de improvisação intermídia, realizadas no Teatro Marília. Para cada apresentação são selecionados, mediante edital, 03 artistas ou núcleos de criação (quando se trata de mais de um artista) caracterizados, cada um, como mídia do “corpo”, da “imagem” e do “som”, que irão, a partir disso, compor um Coletivo de Improvisação. Ao todo, participam das quatro apresentações 12 artistas ou núcleos.
Juntamente com as improvisações, são apresentadas performances conceituais, intituladas de Pensamento Disparado, realizadas por pensadores que se dedicam às questões de estética contemporânea.
O artista Marcelo Kraiser, um dos idealiazadores de Improvisões, escreve sobre o projeto:
“Improvisões: olhares e ações que surgem e se voltam para a improvisação inventando relações entre o corpo, a imagem e o som. O que queremos dizer com ‘invenção de relações’ ao invés de falarmos em ‘relações entre as artes’? Simplesmente que o que se improvisa são as relações entre os meios visuais, sonoros, linguagens verbais, artistas e técnicos que ocupam o espaço do teatro dentro e fora da caixa cênica devem ser compreendidas como trajetórias, linhas de ação e pensamento nas quais nada foi determinado com antecedência.
Os meios não são vistos nesse caso como aquilo que já foi catalogado como artes visuais, teatro, dança, performance, crítica e assim por diante e que sentados confortavelmente em seus territórios firmes iriam dialogar uns com os outros. Ao contrário disso, não concebemos os meios como lugares de passagem e nem como suportes, mas lugares muito instáveis, onde não fazem o menor sentido os opostos como teoria e prática, ruptura e continuísmo, antigo e contemporâneo pois neles não existem os controles das instituições do pensamento ou dos mercados das artes. O que não quer dizer um elogio do espontâneo e do vale tudo.
Esse lugar entre, como diz Gilles Deleuze, não é um local onde as coisas se relacionam uma com a outra, ‘ é o lugar onde as coisas adquirem velocidade… uma e outra, riacho sem início nem fim, que rói suas duas margens e adquire velocidade no meio’.”

Por Luiz Carlos Garrocho

Artista cênico/performativo, filósofo, pesquisador e professor.

3 respostas em “Improvisões – improvisação intermídia”

Prezado Luiz Carlos, meu nome é Rafael Reinehr e gostaria muito de entrar em contato com você por e-mail. Estamos arquitetando um projeto que visa integrar o acadêmico e o popular e seu trabalho relatado tanto aqui quanto no Cultura do Brincar precisa ser melhor divulgado. Estamos procurando pessoas que ainda sentem e conseguem ter a percepção da singularidade em um mundo normalizado. Creio que você seja alguém assim. Por favor envie-me um mail ou de preferência adicione-me no MSN: armazemdeideiasideais arroba hotmail ponto com

Um abraço fraterno e até breve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.