Indústrias culturais: um texto de Bernard Stiegler



Em tempos de “cultura como negócio”, um bom antídoto é o artigo de Bernard Stiegler, que denuncia a miséria simbólica produzida pela indústria cultural. O texto, do qual reproduzo um pequeno trecho, encontra-se publicado originalmente na versão eletrônica do Le Monde Diplomatique:

“Uma fábula dominou os últimos decênios, iludindo em grande parte pensamentos políticos e filosofias. Contada após 1968, ela queria nos fazer acreditar que tínhamos entrado na era do “tempo livre”, da “permissividade” e da “flexibilidade” das estruturas sociais, em resumo, na sociedade dos prazeres e do individualismo. Teorizado com o nome de sociedade pós-industrial, esse conto influenciou e fragilizou notavelmente a filosofia “pós-moderna”. Inspirou grandemente os social-democratas, querendo dizer que tínhamos passado da época das massas trabalhadoras e consumidoras da era industrial para o tempo das classes médias; o proletariado estaria então em vias de desaparecer. Não somente esse último continua muito importante – levando-se em conta os números – como, pelo fato de os empregados terem se proletarizado fortemente (dominados por um dispositivo de máquinas que os priva de iniciativas e de conhecimentos profissionais), também cresceu. Quanto às classes médias, elas empobreceram. Falar de desenvolvimento de formas de lazer – no sentido de um tempo livre de qualquer obrigação, de uma “disponibilidade absoluta”, como diz o dicionário – não é algo óbvio, porque de forma alguma elas têm como função liberar o tempo individual, mas sim controlá-lo para hipermassificá-lo: são os instrumentos de uma nova servidão voluntária. Produzidas e organizadas pelas indústrias culturais e por programas, elas formam o que Gilles Deleuze chamou de sociedades de controle. Estas desenvolvem esse capitalismo cultural e de serviços que fabrica por inteiro os modos de vida, transforma a vida cotidiana no sentido de seus interesses imediatos, padroniza as existências pelo viés de “conceitos de marketing”. É o que ocorre com o conceito do life time value, que designa o valor economicamente calculável do tempo de vida de um indivíduo, cujo valor intrínseco é dessingularizado e desindividuado.”

2 comentários em “Indústrias culturais: um texto de Bernard Stiegler”

  1. Parabéns pelo BLOG, em primeiríssimo lugar.
    Espero que, como eu, você esteja “ensaiando um livro”, ou mesmo que esta fantasia pertença apenas a minha ignorância, e que o seu livro “virtual” que procuro já seja real, e mera questão de ir a livraria…rsrsrsrs
    Meu amigo-quase-irmão Herbert Daniel (que era mineiro como você me parece ser) lembrava que se Arte e Cultura tivessem sido inventadas para dar dinheiro, a gente ia ter que se submeter a cre que sexo foi inventado para dar filhos…
    Já Rosiska Darcy, num lindo e oportuno texto, diz:
    …”A uma nova geração de mulheres, desta vez com o apoio dos homens, cabe a defesa de mais esse aspecto da liberdade, algo que as feministas de então teriam talvez chamado ‘nosso tempo nos pertence’”.
    Passo a acompanhá-lo sistematicamente a partir de agora!
    ABRAÇÃO
    CHRISTINA MONTENEGRO
    http://curiosaidentidade.blogspot.com/

    ABRAÇÃO

  2. Christina,

    Fico feliz pela sua visita.
    “Nosso tempo nos pertence”: vamos fazer disso nosso exercício de reivenção cotidiana do sentido.
    Visitei seu blog e vi um pouco de sua luta. Parabéns! Voltaremos ao tema.

    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.