Arquivo da categoria: Zonas Experimentais [ZnEx]

Palavras e coisas

suprematismo_quadro negro
Kashmir Malevich: Quadro negro.

Já se disse que as palavras não são as coisas. Pergunto-me, então, como as palavras deixam de ser meras referências às coisas e estas possam se esquivar do destino usual que é o de não falar.

Palavras e coisas não tem donos. Assim como os percorrentes sentidos que as unem e as separam. De modo que os encontros não estão determinados e nem as correspondências fixadas.

Entretanto, sempre surgem os que se autoproclamam genuínos representantes das palavras, das coisas e das conexões entre elas, exibindo os títulos de propriedade, ou subitamente desembarcando armados e vestidos em praias nuas, para logo celebrar vaticínios e submeter  esplendores selvagens. Continue lendo Palavras e coisas

Livro do Poro em pdf

LivroPoro

 

O livro Intervalo, respiro, pequenos deslocamentos – ações poéticas do Poro, encontra-se disponível para download em pdf. É um material muito interessante sobre” intervenção urbana, espaço público, ações poéticas/políticas, apropriação midiática, cidade, poesia de rua e afins…”

Entre os textos de vários autores, encontra-se um artigo que escrevi juntamente com Daniel Toledo, ator e jornalista, cujo mestrado versa sobre arte pública.

Além dos textos, você encontra belas imagens, que nos remontam às ações e intervenções do Poro nas cidades.

Para baixar, basta clicar no link:  www.poro.redezero.org/publicacoes/ebook.

 

A performance que a Polícia Militar não suportou

 

No dia 07 de setembro de 2013, as ruas de muitas cidades do país foram tomadas por diversos tipos de manifestações. Em Belo Horizonte, um grupo foi duramente reprimido pela Polícia Militar, numa demonstração abusiva de força, prendendo alguns jovens. Neste vídeo, dois ativistas colocam-se numa linha bem próxima do batalhão de choque da PM. O que eles realizam, além do desejo de se manifestar, é uma performance artística. Nesse caso, há também toda uma teatralidade que é sabiamente controlada pelos performadores. Até o ponto em que o braço armado do estado não pode mais tolerar a ação performativa e decide efetuar a prisão. O governador Anastasia é o responsável por esse clima.

Alguém dirá que não se trata de arte. Não de uma estética da obra de arte, como mostra a pesquisadora Erika Fisher-Lichte. Mas sim de uma estética do performativo. Nesta, o acontecimento toma o lugar da obra. Ou, ainda, poderíamos pensar, nas trilhas de Ileana Diéguez, pesquisadora mexicana de artes cênicas, que estamos diante de uma “teatralidade liminar” – entre ação política e estética. E não é a tal da intencionalidade artística que definiria o que é arte. Aliás, essa definição não se faz mais operativa para dar conta das poéticas contemporâneas. Continue lendo A performance que a Polícia Militar não suportou

Intervenção urbana: violência, arrogância e despreparo da Guarda Municipal

Leandro Lara e Sitaram Costa em Olho da Rua

 

As ruas têm dono

Não bastasse a última postagem, intitulada  de A criminalização da cultura das ruas, em Belo Horizonte, temos de denunciar o modo como a Guarda Municipal trata artistas e pessoas comuns (pois, como poderão ver, é disso que se trata afinal). Os performadores da intervenção urbana Olho da Rua foram tratados com arrogância e violência, como relato a seguir.

Uma coisa é certa: as ruas têm dono. E todo cuidado é pouco, pois ele costuma primeiro bater, para depois perguntar.

Desterritorializações no asfalto e calçadas

A intervenção urbana Olho da Rua opera numa interface entre teatro físico e performance. Três aspectos principais podem ser destacados: a ressignificação dos espaços públicos, os estados corporais e o diálogo possível com as pessoas, objetos, presenças e arquitetura urbana. Utilizamos elementos de composição no instante e imagens-partituras trazidas para serem desterritorializadas no asfalto e calçadas. Exploramos uma zona de indeterminação entre o “corpo artista” e o “corpo comum” do transeunte. A expressão “olho da rua” é o motivo e a guia da ação: tanto no sentido dos “olhares da rua”, de seus múltiplos e rizomáticos enfoques, quanto no sentido de ser atirado na rua.  Continue lendo Intervenção urbana: violência, arrogância e despreparo da Guarda Municipal