Arquivo da categoria: Literatura

It’s now or never (ou o enterro de Elvis), por Maurício Vasconcelos

Numa noite dos anos 70, em Belo Horizonte. Maurício Vasconcelos pegou umas folhas de papel, uma caneta esferográfica vermelha e escreveu um estranho poema em prosa. Foi num ato só, quase escrita automática. Escrevia e ria. Depois, nem falamos mais nisso, numa época em que era mais importante correr à rua para ver o mundo ocidental-cristão desabar. Os anos se passaram, eu perdi muitas coisas, muitos livros, muitas revistas e jornais que colecionava, um monte de fotografias que tirava. A cada mudança de casa, um mundo lá se ia embora. Curiosamente, alguns escritos não se perderam. Entre eles, dois textos desse bardo-filósofo que vive recluso no interior de Minas. Já publiquei um verso dele, sem autorização. Outro dia achei este escrito. Vale a pena ler: é uma preciosidade. Será que você percebe a mitologia que fervia na cabeça genial de um jovem, atravessada pela vidência de uma lâmina fria?

“O enterro de Elvis levou mocinhas a chorar e o desfile frente ao caixão era igual à fila de ônibus, bem maior do que às 6 horas da tarde. O que elas querem, todos os que ajudam a carregar tal peso, o esqueleto. O esquife escapuliu. Elvis cantando. A ressurreição. Não se importem se já voltam mais.  Vou até lá. Marilyn, que somos amigos de tão fiéis barbitúricos. Estamos mortos, graças a Deus.  Continue lendo It’s now or never (ou o enterro de Elvis), por Maurício Vasconcelos

Edições N-1 começa com Kuniichi Uno e Félix Guattari

“O livro como imagem do mundo é de toda maneira uma ideia insípida. Na verdade não basta dizer Viva o múltiplo, grito de resto difícil de emitir. Nenhuma habilidade tipográfica, lexical ou mesmo sintática será suficiente para fazê-lo ouvir. É preciso fazer o múltiplo, não acrescentando sempre uma dimensão superior, mas, ao contrário, da maneira simples, com força de sobriedade, no nível das dimensões de que se dispõe, sempre n-1 (é somente assim que o uno faz parte do múltiplo, estando sempre subtraído dele). Subtrair o único da multiplicidade a ser constituída; escrever a n-1. ” Gilles Deleuze e Félix Guattari

Com essa citação nas páginas internas de um dos livros, o filósofo e ensaísta Peter Pál Pelbart lança no Brasil  as Edições N-1, que fazem parte do projeto Future Art Base, sediada em Helsinki (Finlândia). Uma plataforma de “pesquisas e desenvolvimento sobre o futuro da arte – a arte de reabrir os possíveis” – como citado no site.  Continue lendo Edições N-1 começa com Kuniichi Uno e Félix Guattari

Gilles Deleuze: A de animal

Do Abedecedário de Gilles Deleuze, em entrevistas conduzidas por Claire Parnet: a  letra A de Animal, em três partes. A fala de Deleuze é magnífica. Ele produz, como é característico de sua filosofia, um conceito em devir. Assim, ele fala do animal e também, devido à provocação de Parnet, do escritor. Deleuze admira essa redução que o animal produz, ao selecionar aquilo que o afecta. É isso o que “faz um mundo”, diz Deleuze.

O animal constrói um território. E “construir um território para mim é quase o nascimento da arte”. Mas o território “só vale em relação a um movimento através do qual se sai dele”. Então, Deleuze fala da desterritorialização, um conceito criado por ele e por Guattari. Continue lendo Gilles Deleuze: A de animal

À deriva na cidade (1): na madrugada, uma estranha sala que aparece

 

“… eu lhe chamaria mais uma vez para darmos um passeio até o fim da avenida, a ver se acabam nossas luzes.”  Maurício Vasconcelos

Madrugada. Continuávamos a andar, à esmo, pelas ruas do centro da cidade. Nem sabíamos que era uma arte da deriva. Naquela época nós apenas seguíamos sem rumo, deixando-nos levar. Você podia circular a pé, durante a noite em Belo Horizonte, nos anos 70 do século passado. Éramos os dois muito jovens: Mauricio Vasconcelos, um poeta apaixonado por Rimbaud, Artaud e pelos beatniks, e eu.

Esse era um meio de conhecer a própria alma: investigando o corpo da cidade.

Continue lendo À deriva na cidade (1): na madrugada, uma estranha sala que aparece

Blanchot e o cotidiano

“O cotidiano: o que há de mais difícil a descobrir”.

Assim Maurice Blanchot inicia um dos capítulos de A conversa infinita(tradução de João Moura Jr, Editora Escuta, 2007). Somos levados a passear por signos, conceitos e vislumbres desse estado de coisas que chamamos de cotidiano. E o cotidiano, reitera Blanchot ao longo do texto, é aquilo que “não se deixa apanhar”. Por ser o que nos escapa, “ele pertence à insignificância, e o insignificante é sem verdade, sem realidade, sem segredo, mas é talvez também o lugar de toda significação possível”. Blanchot caminha pelas diversas fases do cotidiano, apreendendo nesse movimento suas defasagens: revelações súbitas, iluminações avulsas, contrapontos e contratempos.

Numa primeira acepção, diz Blanchot, o cotidiano é “aquilo que somos em primeiro lugar e o mais frequentemente: no trabalho, no lazer, na vigília, no sono, na rua, no privado da existência”. Então, um movimento seria o de abrir o cotidiano à história, ao Verdadeiro. Lugar da Revolução. Continue lendo Blanchot e o cotidiano