Arquivo da categoria: Geral

A máquina capitalista em Deleuze e Guattari, por Lapoujade

Imagem: capa do livro: n-1 edições

“O capitalismo não nasce da dispersão dos fluxos mas, pelo contrário, de sua conjunção. Sob sua forma elementar, o capitalismo só surge com o encontro de dois fluxos independentes: ‘de um lado, o trabalhador desterritorializado, devindo trabalhador livre e nu, tendo para vender sua força de trabalho; do outro, o dinheiro descodificado, devindo capital e capaz de compra-la'(1). Considerados separadamente, cada um desses dois fatores não faz surgir o capitalismo; é sua conjunção numa relação diferencial que permite a concretização permanente do capitalismo.(2). A máquina capitalista nasce da relação diferencial entre trabalho e capital (da qual o capitalista e o trabalhador sãos as funções derivadas).(3). Mas essa primeira relação é inseparável de uma segunda, que torna mais explícito todo o cinismo da operação. Trata-se da relação diferencial constitutiva do lucro na medida em que introduz uma dualidade incomensurável entre duas formas de dinheiro: do lado do capital, a moeda de crédito ou de financiamento, moeda abstrata ou desmonetizada cuja convertibilidade é apenas de princípio; do lado do trabalhador, a moeda de pagamento que ‘entra no bolso do assalariado’, concretizada como moeda de troca. Disso decorre todo um novo modo de distribuição dos direitos e das potências sociais que não passa mais por códigos: ‘Num caso, impotentes signos monetários de valor de troca, um fluxo de meios de pagamento relativo aos bens de consumo e aos valores de uso, uma relação biunívoca entre a moeda e uma gama imposta de produtos9’a que eu tenho direito, o que me cabe, é meu…’); no outro, signos de potência do capital, fluxos de financiamento, um sistema de coeficientes diferenciais que dá testemunho de uma força prospectiva ou de uma avaliação a longo prazo, não realizável hic et nunc.’ (4). Os fluxos se descodificam, cada um por sua conta, uns depois dos outros, se veem privados de fundamento, mas o capitalismo só surge com a descodificação generalizada dos fluxos. quando tais fluxos se encontram e entram em relações diferenciais que fazem o conjunto do campo social cair num ‘produzir por produzir’, cujo produto é apropriado pelo novo corpo pleno: o dinheiro como capital.”

David Lapoujade, Deleuze, os movimentos aberrantes. Tradução de Laymert Garcia dos Santos. São Paulo: N-1 edições, 2015.

Notas (de Lepoujade):

  1. Deleuze e Guattari, O Anti-édipo, p. 298.
  2. Ibid, p. 330. ‘Dx e dy nada são independentemente da sua relação, que determina um como pura qualidade de fluxo de trabalho, e o outro como pura qualidade do fluxo do capital’. Cf. também, p. 298.
  3. Ibid, p. 349.
  4. Ibid, p. 303-304. Sãos os bancos que articulam entre si essas duas formas de dinheiro. ‘De certa maneira, é o banco que sustenta todo o sistema”, p. 305.

Dentro do ônibus: o povo de algum lugar

Sexta-feira antes do entardecer, o clima um pouco suave devido às chuvas que parecem ter caído em algum lugar,  com a luz solar inundando a paisagem. Mais uma vez tomo um ônibus diametral, em Belo Horizonte – desses que atendem à região metropolitana. Não estava indo a algum bairro distante ou cidade, mas sim aproveitando essa viação que passa na rua onde moro, quando pretendia ir ao baixo centro da cidade.  Mais precisamente, querendo descer na Praça da Estação. Continue lendo Dentro do ônibus: o povo de algum lugar

Niilismo em Nietzsche, por Gérard Lebrun

Imagem: LCG

“Hoje não é mais possível reinventar o ‘mundo-verdadeiro’ tal como ele teve vigência, quanto mais não fosse porque não conseguiríamos disfarçar por muito tempo o fato de que, precisamente, ele estaria sendo re-inventado – e por isso a instauração ou restauração de um Saber Absoluto só pode ser um logro. Mas a que se deve que os filósofos consigam conservar, com tanta obstinação, sua nostalgia do ‘mundo verdadeiro’? É esta, para Nietzsche, uma das numerosas forms do que ele chama de ‘niilismo incompleto’, isto é, uma forma dentre outras de fugir da ideia de que todo sentido pode ser, simplesmente, produto de uma avaliação, de uma criação. Esta ideia, sacrílega por excelência, tem de permanecer impensável – e todas as formas do ‘niilismo incompleto’ não passam de tentativas para a evitar. Até o mais fanfarrão dos niilistas prefere se resignar à constatação de uma falta de sentido; prefere proclamar que verdade não há, deixando assim implicitamente intacto o ideal de ‘verdade’ – esse ideal ao qual o racionalismo quer dar um conteúdo. Mas, entre um e outro, a diferença será tão grande? Na verdade, é niilista – ‘niilista incompleto’, é verdade, e não ‘niilista forte’ – quem ainda não põe em questão o ideal de ‘verdade’. Quem ainda se recusa a denunciar como impostura a ideia de existir um horizonte de sentido prévio a qualquer avaliação. Quem ainda não recusa o princípio mesmo de um Logos não criado que possa proporcionar abrigo e proteção aos homens.”

Gérard Lebran, in O Avesso da dialética: Hegel à luz de Nietzsche. Tradução de Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1988, p.143-144

 

Singularizações do social mediante o sensível

DSC_0055

O acontecimento se dá no encontro. Nos casos que relato a seguir, estou dizendo de um corpo (o meu) que se depara com outro corpo ou corpos na singularidade de uma situação. Uma cena que emerge desse lugar.  Não é um tipo de uma ocorrência, diz Deleuze sobre o acontecimento. É uma síntese disjuntiva mundo-linguagem.

Interesso-me pelos signos sensíveis do cotidiano – que têm sido parte de iluminações avulsas, epifanias do momento, engendradores de acontecimentos.

No caso, quero falar de algumas ocasiões em que sou tomado pela percepção de uma singularização do social,  a partir do acontecimento proporcionado pelos signos sensíveis do cotidiano. Um agenciamentos que se inscrevem nos corpos num dado momento e que revelam mudanças na esfera econômica principalmente.

Talvez você possa considerar estranho ou mesmo difícil que a imediaticidade do acontecimento, no âmbito do sensível, possa diagramar algo de natureza analítica: a compreensão de uma mudança em curso na sociedade. Que os corpos exibem como marcas, em que eles estão comprometidos. A expressão não existe fora dos seus termos – no caso, a imanência concreta da vida cotidiana. Continue lendo Singularizações do social mediante o sensível

Cozinhar é um ato revolucionário

cartazes-poro-10a
Cartaz produzido pelo Poro

 

O Poro – uma dupla de artistas formada por Brígida Campbell e Marcelo Terça-Nada – vem produzindo, além das intervenções urbanas e outras ações efêmeras, cartazes como este para distribuição gratuita.

O tema cozinhar é um ato revolucionário é um dos temas mais belos – não só pelo cartaz, mas também pelo ato em si. Você se cuida, valoriza cada momento, desenvolve estratégias vitalizantes, torna-se mais solidário. E não se esqueça de lavar as louças e deixar a pia limpa – senão, não é nada revolucionário.

Aprendi a cozinhar por volta dos 18 anos de idade, quando aderi à alimentação natural e macrobiótica. No começo, na minha casa, um rapaz disputar o fogão era quase um absurdo. Depois foi se tornando corriqueiro, até aceitável.

No meio do caminho, perdi esse vínculo com o ato de cozinhar. Em parte isso se deu porque adotei a alimentação crudívera. Que tem dicas muitos interessantes – principalmente sobre os brotos. Mas não é suficiente, pois o nosso cérebro  se desenvolveu quando passamos a utilizar os alimentos cozidos. A energia gasta na digestão dos alimentos crus foi utilizada para outros fins. Também está relacionado ao convívio – ao ato de cozinhar e comer juntos, segundo alguns estudos antropológicos.

Continue lendo Cozinhar é um ato revolucionário