Arquivo da tag: Maurício Vasconcelos

It’s now or never (ou o enterro de Elvis), por Maurício Vasconcelos

Numa noite dos anos 70, em Belo Horizonte. Maurício Vasconcelos pegou umas folhas de papel, uma caneta esferográfica vermelha e escreveu um estranho poema em prosa. Foi num ato só, quase escrita automática. Escrevia e ria. Depois, nem falamos mais nisso, numa época em que era mais importante correr à rua para ver o mundo ocidental-cristão desabar. Os anos se passaram, eu perdi muitas coisas, muitos livros, muitas revistas e jornais que colecionava, um monte de fotografias que tirava. A cada mudança de casa, um mundo lá se ia embora. Curiosamente, alguns escritos não se perderam. Entre eles, dois textos desse bardo-filósofo que vive recluso no interior de Minas. Já publiquei um verso dele, sem autorização. Outro dia achei este escrito. Vale a pena ler: é uma preciosidade. Será que você percebe a mitologia que fervia na cabeça genial de um jovem, atravessada pela vidência de uma lâmina fria?

“O enterro de Elvis levou mocinhas a chorar e o desfile frente ao caixão era igual à fila de ônibus, bem maior do que às 6 horas da tarde. O que elas querem, todos os que ajudam a carregar tal peso, o esqueleto. O esquife escapuliu. Elvis cantando. A ressurreição. Não se importem se já voltam mais.  Vou até lá. Marilyn, que somos amigos de tão fiéis barbitúricos. Estamos mortos, graças a Deus.  Continue lendo It’s now or never (ou o enterro de Elvis), por Maurício Vasconcelos

À deriva na cidade (1): na madrugada, uma estranha sala que aparece

 

“… eu lhe chamaria mais uma vez para darmos um passeio até o fim da avenida, a ver se acabam nossas luzes.”  Maurício Vasconcelos

Madrugada. Continuávamos a andar, à esmo, pelas ruas do centro da cidade. Nem sabíamos que era uma arte da deriva. Naquela época nós apenas seguíamos sem rumo, deixando-nos levar. Você podia circular a pé, durante a noite em Belo Horizonte, nos anos 70 do século passado. Éramos os dois muito jovens: Mauricio Vasconcelos, um poeta apaixonado por Rimbaud, Artaud e pelos beatniks, e eu.

Esse era um meio de conhecer a própria alma: investigando o corpo da cidade.

Continue lendo À deriva na cidade (1): na madrugada, uma estranha sala que aparece