Micropolíticas. Por Eduardo Pavlovsky

 

Eduardo Pavlovsky, dramaturgo, ator, diretor, psicoterapeuta e escritor, aborda as micropolíticas num texto inspirado e esclarecedor. Publico aqui algumas partes (o artigo completo, encontra-se na Revista Herramienta, vide Referências). Seus escritos sobre teatro apresentam a perspectiva das intensidades, da invenção, da resistência e do corpo. Fala Pavlovsky:

“Lo micropolítico es la expresión de un suave murmullo, a veces imperceptible, que los condenados de la tierra, los excluidos del mundo comienzan a expresar. Algunos no lo perciben. Son los que escuchan sólo los ruidos de los medios que nos intentan ensordecer todos los días. Es un problema clínico de auscultación. Son las voces nuevas que, con otras tácticas, se contagian por todos los continentes expresando sus balbuceos en sus diferentes singularidades. Pero el murmullo existe y hay que saber percibirlo. Se expresa a veces como murmullos inaudibles de los condenados, que quieren sólo recuperar la potencia de su dignidad humana en nuevas formas de expresión. Ninguna protesta se parece a la otra. Cada una expresa su propia diferencia y singularidad. Continue lendo Micropolíticas. Por Eduardo Pavlovsky

As linhas desejantes de uma vida fascista: O Conformista, de Bertolucci

 

Rever O Conformista (1970), de Bernardo Bertolucci, depois de tantos anos, foi uma experiência tão fascinante quanto intrigante. A questão que permanece: a análise das motivações para uma pessoa aderir ao fascismo. E mais ainda: o que seria uma existência fascista, afinal?

O fascismo, mais do que uma ideologia específica (contra a democracia, o parlamentarismo e também contra o socialismo, sendo que o indivíduo se conforma ao coletivo, à corporação e ao Estado), é uma atitude existencial-política. É o que mostra Michel Foucault em Introdução à vida não fascista:

“o inimigo maior, o adversário estratégico (…): o fascismo. E não somente o fascismo histórico de Hitler e de Mussolini – que tão bem souberam mobilizar e utilizar o desejo das massas -, mas o fascismo que está em nós todos, que martela nossos espíritos e nossas condutas cotidianas, o fascismo que nos faz amar o poder, desejar esta coisa que nos domina e nos explora.”

Marcello (Jean Louis Tringnant) é um intelectual que procura o seu amigo cego,  ideólogo do Partido, para aderir voluntariamente ao fascismo. Ao mesmo tempo, pretende-se casar. Seu amigo pergunta o motivo  e ele afirma: para ser uma pessoa normal. Uma pessoa que, segundo ele, ao ver o traseiro de uma mulher, olha para trás, admira e segue em frente. A trivialidade de uma vida como a de qualquer um. Marcello quer ser igual e, como todos os iguais, eliminar em si e nos outros toda e qualquer diferença. Continue lendo As linhas desejantes de uma vida fascista: O Conformista, de Bertolucci

O Estado-Polícia e a imagem que não está aqui

Imagem: Folha de São Paulo

 

A imagem que está aqui

A  reintegração de posse da região de Pinheirinho, São José dos Campos/São Paulo, ocupada desde 2004 por uma média de 5 a 6 mil pessoas, mostrou o significado do Estado que faz da violência policial a sua política. Algo que se expressa na imagem que está aqui: a de um membro da guarda municipal sacando a arma para os manifestantes e resistentes, num bailado delirante, encarnando o próprio acontecimento.

Mas o que é esse Estado-Polícia? Sim, é algo próximo do fascismo. Raquel Rolnik escreveu um artigo sobre o episódio, mostrando uma coerência nas ações realizadas pelo Governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin. Primeiro, a violenta ação da Polícia Militar contra os estudantes da Universidade do Estado de São Paulo. Depois, a investida contra os  desesperados da Cracolândia, em São Paulo, dispersando-os  com balas de borracha e gás pimenta, sem qualquer conexão com programas sociais e de saúde. E agora, a expulsão violenta dos moradores de Pinheirinho. A ação policial desse Estado tem uma lógica, como mostra Rolnik: Continue lendo O Estado-Polícia e a imagem que não está aqui

O futuro já chegou: a visão da cidade

Andamos por aí e muitas vezes não vemos o que está diante de nossos olhos. É necessário um olhar estrangeiro para captar essas coisas, acostumados que estamos ao que dirige nossa atenção: os pequenos objetos de interesse, as preocupações e paixões miúdas. Henry Lefebvre diz que as obras de ficção científica são as que melhor mostram  nossas cidades. Nos romances de ficção científica, diz Lefebvre,

“Ora os antigos núcleos urbanos – as Arqueópolis – agonizam, recobertas pelo tecido urbano que prolifera e que se estende sobre o planeta, mais ou menos espesso, mais ou menos esclerosado e cancerizado por placas; nesses núcleos destinados ao desaparecimento após um longo período de declínio, vivem e vegetam fracassados, artistas, intelectuais e gângsters. Ora reconstituem-se cidades colossais, trazendo para um nível mais elevado as antigas lutas pelo poder. No exemplo limite, na obra magistral de Azimov, ‘A Fundação’, uma cidade gigante cobre um planeta inteiro, Trentor. Ela possui todos os meios do conhecimento e do poder. É um centro de decisão na escala de uma galáxia, que ela domina.” (O direito à cidade)   Continue lendo O futuro já chegou: a visão da cidade

Agenda Juventude e Pixação (2): equívocos do Movimento Respeito por BH

 


Crítica da criminalização e da campanha movida contra os pixadores

A imagem acima é parte da peça publicitária que a Prefeitura de Belo Horizonte vem divulgando pela cidade, sob a rubrica do Movimento Respeito por BH. A ação do poder público municipal, associando-se a outras esferas, como a Polícia Militar, Polícia Civil e um procurador, visa isso mesmo que está aí na imagem: o pichador no presídio! E mobilizam, através da propaganda, o denuncismo e, nessa linha, tratam o jovem que se expressa por esses meios, nos limiares da legalidade, como bandido!

Como venho mostrando nesse blog e, na última postagem dedicada ao lançamento da Agenda Juventude e Pixação, essa é uma ação que se equivoca como política pública. Mas que se mostra coerente com outras ações que têm por objetivo a criminalização da cultura das ruas, como mostra Naomi Klein no livro em Sem Logo. Essa é uma característica das cidades em que as políticas públicas inclusivas estão abandonadas ou em crise.

Continue lendo Agenda Juventude e Pixação (2): equívocos do Movimento Respeito por BH

filosofia – micropolítica – militância estética e cultural