Dentro do ônibus: é tudo música

Entrei num ônibus diametral, desses que atravessam Belo Horizonte de ponto a ponto. Era cedinho e me deparei com um homem e sua viola num dos primeiros bancos. Do outro lado do corredor, um homem mais gordo, com um vozeirão impressionantemente alto, porém muito musical, falava com o motorista.

Antes que eu passasse na roleta, o ônibus para no sinal vermelho. E o que acontece? O violeiro, uma pessoa indescritível, começa a tocar alguma coisa. Ao mesmo tempo, o homem gordo sinaliza ao motorista, com malícia, sobre o outro motorista de um ônibus que também para ao lado. Eles começam a rir do colega e o homem gordo grita pela janela, numa musicalidade impressionante:  

– Ele tá perguntando cadê a camisola que você rasgou!

O motorista do ônibus ao lado, abrindo um canivete, responde:

– Vem aqui palhaço, que eu lhe mostro!

Dito assim, parece briga. Mas não é. A coisa é tão genial que a resposta mostra-se ameaçadora (“vem aqui palhaço…), mas com um tom ao mesmo tempo distanciado – caracterizando afinal uma grande brincadeira. É tudo de uma sonoridade musical e de uma cultura de bom humor. No entanto, não deixa de ter uma ponta de perigo – num átimo, sabem todos, tudo pode virar muito sério. Mas prevalece um concerto de rudes delicadezas. As vozes, quase aos gritos, vão se misturando ao som da viola.

Os dois ônibus arrancam. Já são, agora, pouco mais de oito horas da manhã e o violeiro começa a cantar também. Tudo isso se mistura ao barulho dos motores, na sua voragem matinal.

O violeiro tocava e cantava música sertaneja. E de um modo que não se ouve por aí. Aquilo vinha de outro lugar. E eu fiquei suspenso, entre sons de motores, a conversa aos gritos do motorista com o passageiro, além daquele violeiro cantador e deslocado de tudo.

Uma festa para os sentidos.

E o violeiro, de onde vinha? Para onde ia? E ele, parando de tocar e cantar, olha para o lado e suspira:

– Que saudade de minha terra!

Queria saber mais sobre ele, mas percebi que o ônibus entrara numa pista onde seria impossível descer. O próximo ponto ficava muito longe dali. Pergunto ao trocador se poderia parar e ele me diz que era tarde, mas falaria com o motorista. Este grita lá da frente:

– Vai lá e prepara para descer, que os carros vão buzinar atrás de mim!

E parou, subitamente. Agradeci, surpreendido pela sua generosidade e flexibilidade em meio a um mundo com tanta pressa e tantas normas. Coisa de segundos, mas os carros já buzinavam atrás, com pressa.

O ônibus foi embora. E levou junto seus sons e suas histórias.

Pensei no Brasil, na nossa cultura, em nosso povo e na ignorância de nossas elites.

Referências

Publicado originalmente no Overmundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.