A última vez

Imagem: do filme A última sessão de cinema (1971), de Peter Bogdanovich

Refugiado no instante

dou de cara com um antigo sonho  rasurado,

colado no ponto de ônibus.

Inventaram meus olhos,

(mais uma vez)

a palavra

Saudade.

Esquecida de si,

que alguém achou de encontrar

mas não conseguiu ler.

Pois de um papel gasto e um pouco rasgado,

sobrevive enquanto se apaga seu testemunho inacabado.

Com o desenho dos percursos

a perguntarem por qual modo de descaminho

a poesia escreve e canta um destino,

quando o vento nas calçadas 

já não varre mais

(como no cinema)

folhas

soltas

de jornal .

Um comentário em “A última vez”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.